7 dicas para incentivar a alimentação saudável infantil

alimentação saudável infantil
6 minutos para ler

A alimentação saudável infantil é de suma importância para o desenvolvimento físico e mental. Porém, nos dias atuais, com tantas opções industrializadas e pouco nutritivas, mas atrativas, tornou-se um desafio fazer com que os pequenos comam bem. O resultado já se vê nas pesquisas: mais de 30% das crianças brasileiras estão com sobrepeso.

A boa notícia é que com criatividade e empenho é possível evitar ou até mesmo reverter esse cenário. E mais: tudo pode ser feito de uma maneira lúdica e divertida, de forma que as crianças realmente se sintam felizes e confortáveis em todo o processo, desde a primeira infância. Quer saber como? Continue a leitura!

1. Evite estocar alimentos industrializados na despensa

Crianças em casa, muitas vezes entediadas. Uma grande quantidade de alimentos industrializados à disposição. Fica fácil imaginar o que vem pela frente, não é mesmo? Se para os adultos já pode ser difícil se controlar quando veem uma porção de opções livres, imagine para as crianças! Para que elas não comam alimentos poucos nutritivos, não os compre em excesso e nem os deixe bem acessíveis.

Ter guloseimas à vontade estimula a compulsão alimentar, além de passar a imagem que não há nada de mau em ingeri-las constantemente. Invista em uma despensa saudável e estoque produtos que realmente façam bem para a saúde.

2. Elimine o açúcar de sucos naturais

No começo pode até ser um pouco difícil, mas depois todo mundo se acostuma e passa até a gostar mais de um suco natural sem açúcar. Mostre aos pequenos que saborear com mais intensidade o gosto da fruta pode ser bem mais agradável. Fale com as crianças sobre como a natureza é perfeita e de que forma Deus já preparou tudo gostoso e na medida certa para o ser humano.

Se as crianças já estiverem acostumadas com um suco adoçado artificialmente, você pode ir eliminando a quantidade de açúcar aos poucos, até zerá-la. Dessa forma, o paladar vai se acostumando à nova forma de consumo da bebida e o processo se torna mais leve.

3. Incentive seu filho a cozinhar com você

Momentos de pais e filhos são muito valorizados pelas crianças. Que tal tê-los também na cozinha? Chame-os para ajudá-lo a elaborar as refeições, respeitando, é claro, todas as medidas de segurança.

Os pequenos podem se interessar muito mais pelas verduras, frutas e legumes se virem como eles são preparados. Além disso, costumam ficar bem mais empolgados por saberem que contribuíram para a produção de algum prato gostoso e que foi apreciado por todos.

Consultem uma receita juntos, separem os ingredientes. Ao longo de todo o processo, explique o passo a passo e como cada etapa é importante para o resultado. Faça dessas horas algo produtivo e agradável!

4. Ofereça os alimentos de forma divertida no prato

As crianças pensam em brincar muitas e muitas vezes no dia. Para elas, tudo pode estimular a imaginação e a criatividade. Um prato montado de forma lúdica se encaixa muito bem nesse contexto.

Apresente a receita em formatos diferenciados. Use ingredientes para formar “carinhas” de animais, faça uma minifloresta com os brócolis, projete cabanas com algumas folhas. Isso vai atrair os pequenos e tornar a hora da refeição mais interativa e agradável para eles.

Você pode, inclusive, fotografar todos os pratos, para que as crianças guardem a imagem de cada um e tenham vontade de completar a “coleção” de fotos. Essa ação vai estimulá-las a desejarem sempre a próxima refeição e a boa surpresa que virá pela frente.

5. Leve seu filho à feira

Já pensou que seu filho pode sentir uma vontade bem maior de comer uma cenoura se ele próprio ajudou a escolhê-la na feira? E que ele pode ver como um incentivo outras pessoas e crianças levando para casa os alimentos saudáveis, o que ajuda a provar que eles realmente são uma coisa boa e benquista?

Já imaginou que os pequenos podem se encantar com as frutas e verduras expostas, bem fresquinhas e bonitas? Portanto, leve as crianças à feira. Faça com que elas participem mais de todo o processo que envolve a boa alimentação. Isso é de grande valia!

6. Desperte a curiosidade em provar novos alimentos

Muitas vezes, os pequenos dizem que não apreciam determinado alimento. Em alguns casos, simplesmente porque não gostaram da cor, do formato ou da textura. Porém, nunca sequer chegaram a experimentá-lo. Se o fizerem, podem ter uma grata surpresa!

Por isso, estimule as crianças a provarem comidas novas. Mostre para elas que conhecer sabores diferentes pode ser muito bom e que há uma infinidade deles por aí. Sempre tenha o cuidado de destacar o quanto a experiência pode ser prazerosa.

Se mesmo assim eles não aprovarem o novo alimento, não se dê por vencido. Você pode tentar prepará-lo de outra forma. A criança pode não gostar de um determinado legume com arroz e feijão, por exemplo, mas apreciá-lo numa sopa. Procure receitas que possam agradá-los!

7. Dê o exemplo

Por fim, não se esqueça de que os filhos costumam ver os pais como um verdadeiro exemplo. Ensiná-los com palavras pode ser eficiente, mas com ações é ainda melhor. Não vai adiantar você incentivá-los a comer frutas, verduras e legumes enquanto saboreia todo tipo de guloseima nada nutritiva.

Procure sempre se alimentar bem. Se os seus próprios hábitos não são muito saudáveis, modifique-os. Busque dentro de você o prazer de comer aquilo que é verdadeiramente bom para o seu corpo. As crianças vão ver e admirar essas práticas, sentindo vontade de seguir o exemplo.

É importante que toda a família se empenhe em agir de maneira diferenciada diante das refeições. Caminhando juntos, tudo fica mais fácil e mais tranquilo.

A alimentação saudável infantil pode se tornar uma realidade de maneira natural e divertida. Além de seguir as dicas sugeridas neste artigo, não se esqueça de mais um aspecto muito importante: a união familiar em torno da mesa. Isso não só promove momentos de trocas de afeto e de boas conversas, mas também manda para longe as distrações tecnológicas como celular, tablet e televisão, desenvolvendo hábitos alimentares melhores.

Gostou deste artigo? Que tal ajudar outras famílias a incentivarem os filhos a manter uma alimentação saudável? Compartilhe este material nas suas redes sociais!

Sharing is caring!

Você também pode gostar

Deixe um comentário