Ansiedade nos estudos: como auxiliar seu filho?

ansiedade nos estudos
7 minutos para ler

As emoções e os sentimentos podem ajudar ou prejudicar o desempenho dos estudantes no período escolar. A ansiedade nos estudos é comum entre os alunos e traz comportamentos e reações que interferem no aprendizado. Por isso, é importante que os pais auxiliem seus filhos a superar essa dificuldade.

É natural se preocupar com a educação do filho, sempre buscando a melhor instituição e metodologias que contribuam para o desenvolvimento completo da criança. Mesmo com esse cuidado, é possível que aspectos emocionais estejam prejudicando o crescimento social, emocional e intelectual. Dessa maneira, contar com o olhar atento do colégio faz toda a diferença.

Neste artigo, conversaremos com Noé Amorim, psicólogo do Colégio Batista Brasileiro — da unidade de Bauru. Ele trará algumas dicas sobre como auxiliar seu filho a superar a ansiedade nos estudos. Confira!

Quais são os riscos da ansiedade para os estudantes?

É necessário fazermos, antes de tudo, a distinção entre ansiedade e o transtorno de ansiedade. Afinal, “existe a ansiedade natural, que surge diante de desafios e coisas diferentes da vida, assim como ambientes novos — isso todos nós temos”, explica Noé Amorim.

Já o transtorno de ansiedade é uma patologia. Os sintomas são os mesmos, mas a diferença está no tempo que esse transtorno acomete a criança. Falamos de um desconforto exagerado com a antecipação de situações que ainda não ocorreram e que pede cuidado e tratamento.

O fato é que a ansiedade nos estudos pode acontecer desencadeada por diversos fatores, como a mudança de escola, a pressão por boas notas e a vontade de ser aprovado pelos colegas. Confira alguns riscos que ela traz para os estudantes!

Dificuldade de aprendizagem

Esse é um dos principais, pois prejudica o crescimento da criança e, consequentemente, o seu desempenho. Desse modo, ela não consegue criar uma rotina de estudos que seja eficiente.

“A ansiedade dificulta a organização do pensamento, fica aquela ideia recorrente de que ela não vai dar conta do que tem para fazer e interfere, de forma direta, na atenção e concentração. A criança não consegue nem prestar atenção na aula”, explica o psicólogo Noé Amorim.

Isolamento social

Outra dificuldade dos estudantes ansiosos é participar de situações que exijam o envolvimento de diversas pessoas, como trabalhos em grupos e atividades esportivas. Sendo assim, a criança ansiosa, muitas vezes, é vista como solitária, pois evita ser o foco das atenções e se colocar em situações de exposição.

Desistência

Os alunos que apresentam essa dificuldade também são acostumados a desistir de realizar algumas atividades, porque temem não conseguir os resultados esperados. Apresentações para a sala, projetos artísticos e trabalhos em grupo são exemplos de situações que levam à desistência. Esses casos podem trazer problemas para os estudantes, como voz trêmula e nervosismo exagerado.

Como identificar sintomas de ansiedade nos estudos?

Identificar os sintomas de ansiedade nos estudos é muito importante para que a ajuda venha o mais rápido possível, tanto dos pais quanto da escola. Afinal, sem o cuidado adequado, o aprendizado é comprometido, o estudante passa a ter dificuldade de socializar e, em casos mais graves, os episódios de ansiedade podem resultar em um transtorno. Conheça os sinais, a seguir!

Recusa em ir à escola

Um dos principais sinais da ansiedade nos estudos é a vontade de faltar às aulas. O estudante começa a procurar argumentos para ficar com os pais, evitando a escola. Isso também pode ser notado pela falta de vontade de participar de outros encontros sociais, como festas, igreja ou qualquer evento com mais pessoas.

Choro e tristeza

O estudante que está com nível mais alto de ansiedade apresenta silêncio exagerado, irritação, agitação e tende a chorar com mais frequência. “A criança fica mais sensível, ela está mais suscetível ao sentimento de tristeza, chora e tem muita angústia”, exemplifica Noé.

Dores

Outro indício é o surgimento de dores, que acontece com a somatização de todos os sintomas. “Pode ocorrer, por exemplo, dor de barriga ou dor de cabeça. Não é que a criança invente que está com essas dores ou tontura e mal-estar, isso acontece de verdade, é a somatização da ansiedade”, explica o psicólogo.

O que os pais podem fazer para ajudar os filhos?

Ao perceber que os filhos estão com sintomas de ansiedade, os pais podem tomar atitudes que ajudem as crianças a superar esse momento. Confira o que pode ser feito!

Manter um diálogo aberto

O diálogo é um grande aliado para evitar problemas emocionais nos filhos. Os pais são um apoio para as crianças, por isso, é preciso ter habilidade para conversar sobre esse tema e perguntar o que está incomodando o seu filho.

Aproveite os momentos em que você está com as crianças em casa e tenha uma conversa aberta, pois ela ajuda a encontrar soluções para essa dificuldade.

Diminuir as cobranças

A cobrança exagerada também complica a situação, aumentando a ansiedade dos filhos. “Nós orientamos a tirar o foco, não cobrar, passear com a criança, brincar, participar. A cobrança potencializa esse sentimento. Então, em vez de cobrar a tarefa, convide para realizar a atividade em família”, aconselha Noé.

Evitar compartilhar problemas que não estão relacionados com a criança

Os pais também devem evitar dividir problemas que não envolvem a criança. Questões de emprego, dinheiro ou outras escolhas podem ser discutidas apenas entre os adultos — isso evita que os seus filhos se preocupem com temas que vão agravar a ansiedade.

Procurar ajuda profissional

Os pais também devem estar abertos para avaliar se o filho precisa de ajuda profissional. “Há casos que pedem encaminhamento para um profissional específico, seja da área de fonoaudiologia, seja pedagogia, psicopedagogia ou psicologia. Tem até questão de medicação, quando o transtorno é diagnosticado, com neuro ou psiquiatra”, ressalta Noé.

Aproximar-se ainda mais no momento de pandemia

Apesar de acreditarmos que as crianças já nascem sabendo usar a tecnologia, o psicólogo comenta que não é bem assim. “Estudar é diferente, é algo novo, além de a ansiedade aumentar, tem criança que fica tímida na câmera, tem vergonha de aparecer”, afirma.

Em casa, é importante acolher e ter tranquilidade para ajudar esses jovens, evitando rispidez e ainda mais cobranças. O Colégio Batista Brasileiro traz muito apoio nesse sentido, porque tanto os professores quanto os funcionários são treinados para entender os sinais das crianças.

Mesmo no pátio, durante o recreio, o colaborador consegue notar se o estudante se isola. “Nós até orientamos os pais a não se atrasarem para buscar as crianças. A demora de poucos minutos, para o estudante ansioso, parece uma eternidade”, comenta o especialista.

Além disso, temos o serviço de orientação psicológica, que acompanha as crianças mais de perto. Outro ponto que merece destaque é a orientação educacional, que ajuda os estudantes a se organizar quanto às tarefas e aulas, aplacando a ansiedade nos estudos. Entretanto, alguns casos precisam do apoio de profissionais externos. Por isso, é importante que os pais não menosprezem esse sentimento e procurem as soluções adequadas.

Neste artigo, apresentamos algumas informações relevantes sobre a ansiedade nos estudos e como os pais podem auxiliar os filhos a lidar com esse sentimento. É um cuidado fundamental para que as crianças tenham um desenvolvimento completo, sofrendo menos com problemas que podem prejudicar essa etapa importante da vida. Portanto, vale a pena prestar atenção aos sinais que são dados e, se for o caso, ajudar a superar essa dificuldade.

Gostou de conhecer mais sobre o tema? Então, aproveite para entrar em contato conosco e veja como o Colégio Batista Brasileiro pode contribuir com a educação do seu filho!

Sharing is caring!

Você também pode gostar

Deixe um comentário