O excesso de exposição dos filhos às tecnologias na quarentena

crianças e tecnologia
9 minutos para ler

O relacionamento entre filhos e tecnologia representa um assunto preocupante para grande parte das famílias, ainda mais em tempo de quarentena. Com o avanço da transformação digital, cada vez mais, os aplicativos, vídeos, jogos e redes sociais vêm ganhando espaço na rotina das crianças e adolescentes, já que o uso de internet, smartphones e computadores tem se tornado constante na vida de pessoas de todas as idades.

Para evitar as consequências provocadas pelo seu mau uso e para que isso não afete o desenvolvimento e a relação familiar, é importante que os responsáveis acompanhem seus filhos de perto enquanto eles consomem a tecnologia. Além disso, é essencial adotar as melhores estratégias para que ela se torne uma grande aliada, considerando que seu uso adequado pode gerar uma série de benefícios, como: elevação na capacidade de aprendizado, desempenho do raciocínio lógico etc.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para mostrar os principais cuidados que é preciso ter para proteger a família da exposição excessiva à tecnologia. Confira!

Limite o uso da tecnologia junto aos filhos de forma saudável

Como dissemos, com o mundo moderno, a tecnologia já se faz presente no dia a dia das crianças, e proibir a sua utilização é o mesmo que impedir a sua adequação em meio às evoluções que temos vivenciado. No entanto, é preciso haver um equilíbrio. Para que isso ocorra, estar atento a certas situações é necessário.

Isso porque o uso inapropriado pode prejudicar várias atividades importantes, por exemplo, o tempo passado em família, a brincadeira ao ar livre, a interação com outras crianças, entre outras, o que é ruim para quem está em fase de desenvolvimento.

Para auxiliarmos nesse processo, separamos algumas dicas para gerar essa ponderação entre filhos e tecnologia.

Estabeleça limites de tempo e de espaço

É preciso impor limites quanto ao hábito de usar a tecnologia. Por esse motivo, é função da família limitar a utilização de dispositivos digitais dentro de casa. Um exemplo é restringir o acesso à internet antes de a criança dormir, no momento de sentar à mesa para fazer as refeições, entre outros.

Conheça os conteúdos que são acessados

Antes de permitir que os filhos acessem certos conteúdos, verifique do que eles tratam. Além disso, pesquise sobre aplicativos, jogos e outros conteúdos educativos e que sejam apropriados para as crianças.

Caso identifique que algum dos programas que elas desejam acessar é inadequado, diga o motivo pelo qual não vai permitir o acesso e ajude-a escolher algo mais interessante.

Manifeste seu interesse nos assuntos da criança

Ao demonstrar interesse no que o filho faz, ele terá a confiança necessária para conversar a respeito do uso da tecnologia e dos sites que está acessando e sobre com quem conversa nas redes.

Utilize ferramentas para a verificação da qualidade dos conteúdos

Ao utilizar ferramentas para o monitoramento dos conteúdos acessados, é muito importante ter todo o cuidado possível para evitar que essa ação comprometa a relação familiar. Entre os principais riscos do uso da tecnologia para crianças e adolescentes estão o acesso a sites inapropriados para a idade, a exposição da privacidade nas redes sociais, a pornografia e o cyberbulling.

Nos smartphones e tablets, existem alguns mecanismos que limitam o tempo de uso e monitoram o acesso dos filhos, realizando bloqueios e a emissão de relatórios que apontam as ações praticadas nos aparelhos eletrônicos, proporcionando mais segurança na utilização. Já nos computadores, é possível bloquear páginas indesejadas e acompanhar o histórico de visualização.

Caso assine alguns provedores de internet, você pode ligar para a central de atendimento ao cliente a fim de entender como realizar esse bloqueio e esclarecer outras dúvidas sobre o assunto. Além disso, outras dicas podem ser implementadas, por exemplo:

  • deixar o aparelho em um local em que a tela fique visível;
  • informar que está utilizando o recurso para o bem do filho, já que ele aumenta a segurança, e não por não acreditar nele ou por achar que alguma coisa será escondida;
  • explicar os perigos da internet para a criança e adolescente.

Afinal, ela estará muito mais segura quando souber os riscos que corre e os perigos em acreditar no que estranhos dizem nas redes, entre outros, o que pode ser feito por meio de uma conversa frequente e pela criação de uma relação de confiança entre pais e filhos. É imprescindível que a criança ou o adolescente tenham confiança para relatar algo que achem estranho.

Links saudáveis para crianças e adolescentes

Quando a tecnologia é utilizada da forma correta e consciente, pode gerar várias vantagens, como uma rotina mais animada e produtiva. Por esse motivo, é necessário selecionar os conteúdos mais apropriados. Isso pode ser feito por meio de pesquisas, já que existe uma enorme variedade de opções.

O recomendável é que você tenha certeza de que o acesso indicado por você propicia aprendizado, qualidade e enriquecimento de cultura. Para ocupar o tempo livre, aproveite esse tipo de solução. Para simplificar essa procura, fizemos uma seleção de sites e aplicativos para crianças e adolescentes que podem fazer com que vocês se divirtam bastante e de maneira segura. Veja!

Crianças

Abaixo, confira as opções para as crianças:

Adolescentes

A seguir, relacionamos as opções para adolescentes:

Direcione a atenção deles para outras atividades

O ambiente digital é muito interessante. Contudo, é possível fazer com que as crianças e os adolescentes consigam se divertir e aprender de maneira offline. Entre os principais exemplos, estão:

  • jogos físicos;
  • brincadeiras ao ar livre;
  • experimentos divertidos;
  • incentivo à leitura com a finalidade de estimular a memória, o vocabulário e a concentração.

Nesse caso, permita que os filhos possam escolher a atividade que mais interessar ou o livro que desejam ler. Mas, para isso, ofereça diversas opções para que eles se sintam mais à vontade e possam identificar aquela que vai deixá-los mais interessados.

Outra recomendação é criar responsabilidades e compromissos para que eles cumpram dentro de casa, como a realização de funções domésticas em conformidade com a faixa etária — por exemplo, arrumar o próprio quarto, varrer o terraço e mais.

Valorize a comunhão com a família

A expectativa é de que a tecnologia acompanhe todo o processo de desenvolvimento da criança, e até mesmo quando ela chegar à vida adulta. E, como elas terão acesso desde cedo a esse recurso, é necessário que estejam cientes dos perigos, dos benefícios e do comportamento apropriado que é preciso ter ao navegar pela internet.

Nesse cenário, manter os filhos em comunhão com a família é algo desafiador. Por isso, é importante ensiná-los sobre o respeito, que tem o mesmo peso no mundo real e no mundo virtual. Explique o que é certo e errado e oriente-os para que sempre possam comunicar quando virem algo que pareça impróprio e errado.

A peça fundamental para manter a comunhão é o diálogo aberto, tendo em vista que uma ação conjunta de pais, filhos e outros membros da família é capaz de transformar a internet em um elo educativo, interativo e saudável, que é do que realmente as crianças e os adolescentes precisam em um local com grandes riscos de trocas de ofensas, discussões e conteúdos ilegais.

Outra medida é buscar sempre ter um relacionamento sólido dentro de casa, com ensinos éticos espirituais e transparentes, que imponham os limites necessários de proteção aos desafios do mundo. Porém, essas regras devem ser estabelecidas de forma racional, levando em consideração a idade da criança.

Entre os atributos que uma família moderna precisa ter diante da inserção da tecnologia — cada vez mais presente nas residências e entre a vida dos entes familiares —, estão: a amizade, a confiança, a presença, o amor, a coerência e muita disposição para investir na educação e no desenvolvimento do caráter dos filhos.

Não se culpe!

Não conseguir controlar o uso em excesso da tecnologia por parte dos filhos pode gerar uma crise entre a maioria dos pais, principalmente pelo fato de não conseguirem lidar com a diferença entre as gerações. Outra questão que dificulta ainda mais esse processo é a redução de compromissos por parte dos jovens, tanto sociais quanto espirituais.

Muitas pessoas se encontram perdidas ao longo desse avanço que o mundo tem vivenciado, não conseguindo encontrar o equilíbrio entre a forma tradicional como foram criadas e o moderno, que é onde as crianças se encontram, com todas as influências midiáticas e digitais.

Diante disso, como maneira de resolver esse impasse, é importante que os pais tenham uma reflexão de como se manter mais presentes em relação aos seus filhos, e de como a dedicação, o tempo, o carinho, a compreensão e a atenção se fazem necessários nessa etapa da vida. Realmente, as crianças precisam saber sobre isso, e não há dúvidas de que essa é uma função dos seus progenitores.

Agora que você entende os principais desafios em manter uma relação saudável e equilibrada entre filhos e tecnologia, é importante ter em mente que a melhor alternativa não é proibir que elas acessem os aparelhos e a internet, mas, sim, educá-las para que possam fazer o uso adequado, dentro dos limites impostos. Ademais, é essencial orientá-las acerca da confiança e da segurança que elas devem ter de comunicar quando algo que entendam ser errado for identificado.

O que achou deste artigo? Deixe seu comentário aqui e compartilhe com a gente a sua experiência sobre o assunto!

Sharing is caring!

Você também pode gostar

Deixe um comentário