Entenda o que é a educação 4.0 e quais as vantagens desse modelo!

educação 4.0
7 minutos para ler

Você já ouviu falar sobre a educação 4.0? Vivemos uma era de evolução tecnológica, em que os avanços acontecem em um ritmo cada vez mais acelerado e em um intervalo de tempo cada vez menor — a respeito disso, não há dúvidas.

No entanto, você já parou para refletir sobre como, em alguns anos, será o “mundo lá fora”? As profissões que terão lugar no mercado de trabalho serão as mesmas dos dias de hoje? As habilidades que são valorizadas e desenvolvidas atualmente serão as mesmas requeridas no meio corporativo? E o mais importante: os nossos filhos vêm sendo preparados para esse futuro?

É justamente a todos esses questionamentos que a educação 4.0 está relacionada e, neste post, vamos entender melhor o seu conceito e as suas vantagens. Boa leitura!

O que é a educação 4.0?

A educação 4.0 como um modelo que visa suprir as demandas da “Indústria 4.0” (conhecida também como a Quarta Revolução Industrial).

Causando uma verdadeira revolução, de fato, na maneira como nós nos comportamos e na forma como as coisas ao entorno funcionam, a Indústria 4.0 e as suas concepções principais abarcam a Internet das Coisas (IoT), a automatização das indústrias, a IA (Inteligência Artificial), os robôs, a linguagem computacional etc.

O fato é que todos nós podemos (e devemos) colaborar para quebrar os antigos paradigmas que ainda são perpetuados em uma educação já descontextualizada e que tem por bases a tradicional transmissão de conhecimentos do educador para o aluno.

Além disso, os ambientes nos quais isso se dá, atualmente bem pouco propícios ao processo de ensino-aprendizagem. Inclusive, para muitos docentes mais receptivos ao novo cenário, a cultura maker (do “faça você mesmo”), é um dos caminhos para essa transformação.

O que esse novo conceito traz de diferente em relação ao modelo tradicional?

Seguindo a linha de raciocínio do tópico anterior, é possível chegarmos ao entendimento de que a educação 4.0 baseia-se na premissa do “learning by doing”, que é justamente essa ideia de “aprender fazendo”.

A principal idealização por trás disso é de que todos e especialmente os alunos, passem a aprender, de maneiras diversas, coisas diferentes por meio de projetos e experiências, assumindo um maior papel de protagonismo.

Deixando um pouco de lado o formato convencional em que os estudantes permanecem em uma posição passiva, como ouvintes, apenas recebendo e retendo informações do educador, “pulamos” para uma espécie de “inversão de papéis”.

Agora, os alunos assumem um papel mais passivo e o docente está ali caminhando ao lado deles, ainda ministrando as disciplinas, mas performando como uma guia que os ajuda a atingir o conhecimento.

Contudo, para o sucesso desse formato, os recursos empregados devem também ir além, viabilizando e promovendo esse processo de aprendizagem que se dá de forma mais autônoma. A ideia é de que, desde cedo, os estudantes desenvolvam a capacidade de continuar aprendendo durante a fase adulta de modo que estejam aptos a responder às inovações tecnológicas com a necessária celeridade. 

As descobertas e o aprendizado acontecem por meio do uso de dispositivos eletrônicos (smartphones, tablets, desktops etc.) e de aplicativos. Os jogos, as aplicações multidisciplinares, os vídeos etc. são exemplos de “instrumentos” que são valorizados nesse novo formato.

Porém, é claro que a disposição de softwares e equipamentos não é o suficiente. É necessário que exista um alinhamento do seu emprego a planejamentos pedagógicos muito bem definidos. O propósito passa a ser desenvolver capacidades, competências e o pensamento empreendedor, não mais se limitando à replicação dos conteúdos. Assim, há que se falar das metodologias.

Quais são as principais metodologias relativas ao formato de educação 4.0?

A seguir, veja quais são as principais metodologias que passam a fazer parte desse processo de transformação digital na educação.

Cultura Maker

Já citada, podemos entendê-la não exatamente como uma metodologia, mas como uma concepção que é inerente a todas elas. Nessa abordagem, o aluno passa a alcançar mais autonomia e ter mais protagonismo no seu processo de aprendizagem, conduzindo-o da maneira que fizer mais sentido para ele.

Ensino híbrido

Em termos simples, podemos compreendê-lo como a “mistura” entre o ensino a distância (online) e o presencial. Desse modo, o estudante passa a participar das aulas nesses dois espaços distintos, alcançando um domínio cada vez maior do universo digital.

STEM e STEAM

STEM é a sigla em inglês para Science, Technology, Engineering e Mathematics. Em STEAM, possui as mesmas disciplinas, mas inclui “Art”. Eles reúnem as concepções de Ciências, Matemática, Artes, Engenharia e Tecnologia visando ao aprendizado do aluno. Aqui, ganham espaço, até mesmo, aulas de Teatro e Música com o intuito de promover o desenvolvimento de habilidades e competências de forma ativa,

Aprendizagem com base em projetos

Por fim, esse é um conceito que oportuniza a apresentação de um problema à classe, de modo que a sua solução seja alcançada com o desenvolvimento de um projeto. A ideia é de que isso ocorra por meio da utilização da programação, de abordagens que abarquem a conscientização da coletividade, do uso de conhecimentos científicos, etc.

Quais são as principais vantagens desse novo formato?

Entendido um pouco de tudo que se relaciona ao conceito de educação 4.0, é chegada a hora de compreender quais, de fato, são as vantagens desse novo formato no âmbito escolar. Veja a seguir.

Desenvolvimento de inúmeras habilidades

Além de todas as habilidades desenvolvidas e já mencionadas durante a descrição das principais metodologias, é fundamental saber que outras tão essenciais quanto também são trabalhadas nesse novo formato, como as de comunicação, de trabalho em equipe, de empatia etc.

Maior interação entre discentes e docentes

Com as metodologias usualmente inerentes à educação 4.0, a interação entre os professores e os estudantes passa a ser muito maior, já que o modelo hierárquico é deixado para trás e eles passam a caminhar lado a lado, abandonando a hierarquização.

Maior estímulo à autonomia dos estudantes

A já abordada inversão de papéis que acontece nesse novo formato possibilita que os alunos sejam capazes de desenvolver inúmeras habilidades e, naturalmente, a autonomia é uma delas. Isso faz com que eles enxerguem a si mesmos como os seus “próprios donos” e o seu desenvolvimento facilita o trabalhar de diversas outras competências.

Como você pôde ver, embora já sejamos expressivamente impactados pelos rápidos avanços tecnológicos, é esperado que no futuro esses reflexos causem transformações ainda mais significativas. Isso torna necessária uma alteração no modelo tradicional de ensino até aqui perpetuado com o intuito de capacitar os estudantes para o tempo que os espera à frente e a educação 4.0 desempenha um papel fundamental nessa mudança de abordagem.

Entendeu a importância de contar com uma instituição de ensino que realmente busque inserir os educandos no processo de desenvolvimento da sociedade? Então, entre em contato conosco e conheça a nossa filosofia educativa!

Sharing is caring!

Você também pode gostar

Deixe um comentário